Leitura de notícia
Diário do Comércio online - BH (MG) ( DC Turismo ) - MG - Brasil - 15-11-2014 - 11:36 -   Notícia original Link para notícia
BH ganha app com imagens antigas

Visitantes podem fazer passeios reais pela cidade acompanhando na tela como o local já foi


Daniela Maciel



Acervo do aplicativo inclui imagem da Praça da Liberdade na época da construção do Palácio da Liberdade, na inauguração da cidade/Pro Memória / CMBH


Passear pelas ruas de uma cidade, conhecer os monumentos, entrar nos prédios emblemáticos são atividades que encantam turistas interessados em cultura, arte e história. Quantas vezes ao fazer um passeio assim não vem a vontade de vivenciar um pouco daquele passado imortalizado em documentos e arquitetura? Ou saber como era antes de tantas modernidades?

Quem visita ou vive na Capital e percorre um dos seus eixos mais importantes, que vai da Praça da Estação até a Praça da Liberdade, na região Centro-Sul, já pode matar a curiosidade e voltar aos primeiros anos do século 20 por meio de um aplicativo desenvolvido pelo programa Pró-Memória da Câmara Municipal de Belo Horizonte. A plataforma 3D, batizada como "Passeio Virtual Belo Horizonte 1911", reconstrói grandes cenários da cidade, permitindo ao usuário caminhar desde a Praça da Estação, passando pela antiga Praça da República (Praça Afonso Arinos), até chegar à Praça da Liberdade.

De acordo com o coordenador do Programa Pró-Memória, Guilherme Avelar, o projeto consumiu quatro anos de pesquisa. A primeira dificuldade foi encontrar um acervo que tivesse uma panorâmica da cidade. As fotos encontradas eram, em sua maioria, de espaços muito específicos. Foram achadas duas boas opções: uma de 1908, quando a panorâmica foi feita para uma exposição no Rio de Janeiro, e outra em 1911, quando foi lançado um álbum da cidade. A partir disso uma pesquisa em diversos lugares como os arquivos públicos, hemeroteca e bibliotecas foi implementada para conseguir mais material. Ao mesmo tempo a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) forneceu os projetos de construção da cidade.

"Depois disso passamos para o trabalho de arte. Tudo foi feito dentro do âmbito do Pró-Memória e como usamos ferramentas de uso livre não tivemos nenhum tipo de custo extra. Todos trabalhamos com um espírito de colaboração. A equipe de sete pessoas conseguiu fazer tudo apenas reorganizando o tempo", explica Avelar.

Por enquanto o "passeio" está disponível apenas para computadores com sistema windows, porém já existem perspectivas para o lançamento para plataformas móveis. Para baixar o aplicativo basta entrar no site do programa e seguir as instruções.

Criado em 2009, o programa Pró-Memória lançou seu primeiro produto ao final de 2010, após quase quatro anos de pesquisa sobre a história da mudança da capital mineira de Ouro Preto para Belo Horizonte. O livro "Ciclones e Macaréus - O Parlamento na História de Belo Horizonte" recupera o processo de planejamento e organização da nova sede do governo de Minas Gerais, no período entre 1891 e 1899, na perspectiva do debate parlamentar.

Um dos projetos mais queridos do coordenador é a recuperação da tela da artista plástica mineira Yara Tupynambá que enfeitava o plenário da antiga Câmara no centro da cidade. "Na época da mudança o quadro foi danificado e colocado em um depósito. Em 2010 a artista fez uma nova tela que pudemos instalar na nova casa. Ela cobrou apenas o material. Esse foi um gesto de generosidade com a cidade e um momento simbólico importante", avalia o coordenador do Programa Pró-Memória.

A equipe do programa está em fase de pesquisa para o lançamento do segundo livro e para desenvolvimento de um acervo digital que vai contar a trajetória da Câmara Municipal e do antigo Conselho Deliberativo desde 1900, reunindo projetos, emendas e discursos parlamentares.

"Nosso maior sonho é estimular que as pessoas compreendam e se preocupem com a preservação da memória e reflitam como elas fazem parte da estrutura da cidade.  importante discutir como as decisões de hoje podem influenciar na paisagem do futuro", afirma.


Senado discute futuro do setor de turismo com ministro em audiência


O ministro do Turismo, Vinicius Lages, falou sobre a importância de o país criar um ambiente favorável ao empreendedorismo no turismo e continuar respondendo com inclusão social, geração de emprego e renda. O assunto foi tratado na quarta-feira em audiência pública da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado Federal.

"Quando olhamos para um país continental como o nosso, imaginamos que os rios, as montanhas e as manifestações culturais são, em si, um produto turístico.  um equívoco comum pensar que não é necessário fazer um esforço para estruturar essas ofertas", afirmou Lages.

O ministro defendeu a estruturação dos destinos e a melhoria nos marcos regulatórios como investimentos essenciais para os destinos ganharem competitividade no mercado global. "Nos últimos anos registramos índices de crescimento em torno de 13% em alguns segmentos. Para mantermos essas taxas é preciso criarmos um ambiente de negócios favorável ao empreendedorismo", disse.

O ministro citou as orlas, os parques temáticos e o meio ambiente como oportunidades que devem ser olhadas com atenção por gestores públicos e setor produtivo. "As nossas orlas têm um potencial de gerar alguns trilhões de dólares caso consigamos simplificar o licenciamento e o uso, sempre garantindo a preservação da natureza. A melhoria dos marcos regulatórios abre uma série de perspectivas para a construção de marinas, estaleiros, desenvolvimento do turismo náutico", afirmou.

O número de visitantes de todas as unidades de conservação brasileiras subiu de 1,9 milhão em 2006 para 6 milhões em 2013. Apesar do salto, o número ainda está longe da capacidade dos ativos naturais brasileiros, considerados o número 1 do mundo pelo Fórum Econômico Mundial. Apenas o Great Smoky Montains, parque mais visitado nos EUA, recebeu nove milhões de visitantes no último ano.

Vinicius Lages abordou ainda os investimentos do MTur em infraestrutura. Desde 2003, quase R$ 9 bilhões foram destinados para obras em mais de 4 mil municípios. "As emendas parlamentares são um reforço importante para o nosso orçamento e precisamos ter foco para otimizar a aplicação desses recursos", disse.

A audiência foi solicitada pela senadora Lídice da Mata e mediada pelo presidente da CDR, Antônio Carlos Valadares. Também participaram do encontro o presidente do Tribunal de Contas da União, Augusto Nardes, os secretários Executivo do MTur, Alberto Alves, Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo, Neusvaldo Ferreira Lima, e Nacional de Políticas de Turismo, Vinicius Lummertz. Representando estados e municípios estavam a presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes do Turismo (Fornatur), Aureni Braga, e a presidente da Anseditur, Cláudia Pessoa.

A senadora Lídice da Mata defendeu a definição de focos de investimentos e o reforço no orçamento próprio do Ministério do Turismo. "O Ministério do Turismo nasceu da reivindicação da sociedade, do setor produtivo. Não podemos permitir que o orçamento da pasta sofra constantes cortes e dependa das emendas parlamentares que muitas vezes não estão ligadas às reais necessidades do destino", disse.


Nenhuma palavra chave encontrada.
O conteúdo acima foi reproduzido conforme o original, com informações e opiniões de responsabilidade da fonte (veículo especificado acima).
© Copyright. Interclip - Monitoramento de Notícias. Todos os direitos reservados, 2013.